Faróis

 

Farol é uma torre, construção ou outro tipo de estrutura desenvolvida para emitir luz a partir de um sistema de luz e lentes e utilizado como auxílio à navegação, para pilotos marítimos em alto mar ou em vias fluviais.

Faróis identificam costas e bancos de areia perigosos, recifes, entradas seguras para portos, além de auxiliarem a navegação aérea. Embora os faróis já tenham sido usados amplamente, houve uma diminuição no número de faróis em funcionamento, devido a custos com manutenção. Assim, eles foram substituídos por sistemas navegacionais eletrônicos e modernos.

Farol Traseiro de Suurupi

Coordenadas: 59°27.813' N/24°22.818' L

Setor de luz: branca 0° - 360°

Ano de construção e reconstrução: 1760; 1951; 1998

Alcance da luz: 12 milhas (19 quilômetros)

Altura do farol a partir da base: 22 m

Altitude da luz: 68 m

Característica da luz: 15 s (1,5+4,5+4,5+4,5)

Em 1759, o contra-almirante Mordvinov propôs ao Conselho do Almirantado a construção de um farol na Península Suurupi. O farol começou a funcionar em 1760, provavelmente com uma fogueira. Ao final do século 19, a habitação, a sauna, a casa de combustíveis, o porão e o celeiro da estação de luz foram finalizados. A estação era rodeada por uma cerca alta de madeira com base de calcário. Na Segunda Guerra Mundial, a habitação do faroleiro foi destruída durante o recuo das tropas alemãs. O farol foi salvo de seu pior destino, mas precisou de restauração intensa. Em 1951, o farol foi reconstruído, com altura de 22 m e em um formato ligeiramente diferente. Um novo prédio gerador foi construído na estação e a habitação destruída foi substituída por uma nova casa. Em 1998, o farol recebeu uma nova sala de lanterna e o equipamento de luz foi modernizado. Em 2011, foi instalado um novo equipamento de luz LED no telhado da sala de lanterna. A altura da luz foi aumentada em 2 metros e o caráter direcional da luz foi eliminado, agora há 360° de visibilidade.

Farol Dianteiro de Suurupi

Coordenadas: 59°28.300' N/24°24.993' L

Setor de luz: branca 242,5° - 250,5°

Ano de construção e reconstrução: 1859; 1885;1998

Alcance da luz: 11 milhas (17 quilômetros)

Altura do farol a partir da base: 15 m

Altitude da luz: 18 m

Característica da luz: 3s (1,5+1,5)

19. Na metade do século 19, os marinheiros reclamavam constantemente das condições precárias do equipamento navegacional nas águas da Rússia. Em 1859, foi construída em Suurupi uma baliza de madeira, a 2245 m do Farol Traseiro. A baliza e o Farol Traseiro de pedra formam um alvo de 246,5⁰, que facilita as partidas da Baía de Tallinn entre Naissaar e Vahemadal em direção ao oeste, para o Golfo da Finlândia. Em 1863, a parede oriental foi pintada de branco; as paredes laterais e traseiras foram pintadas de amarelo e o telhado de vermelho. Uma habitação para o faroleiro, um celeiro e um poço foram construídos próximo ao farol. Em 1888, o piso foi reformado e todos os lados foram pintados de branco. Uma casa de pedra para armazenamento de querosene foi adicionada à estação. Em 1911, foi construída uma nova casa de madeira. Em 1967, o farol passou a ter energia elétrica e foi sincronizado com o farol superior. Em 1998, o Farol Dianteiro de Suurupi foi restaurado. O Farol Dianteiro de Suurupi é o mais antigo farol de madeira da Estônia e está na Lista de Patrimônios Mundiais da Unesco.

 

Estação de aviso de neblina e estação de pilotagem

Nas noites de inverno e primavera, a neblina frequentemente se forma nas águas da Estônia. Quando a visibilidade era ruim ou havia neblina, os marinheiros eram avisados do perigo e auxiliados na navegação por meio de sinais de neblina. Os funcionários do farol tocavam um sino em intervalos específicos. Anos depois, foi instalada uma sirene. O Farol Traseiro de Suurupi controlava o Farol Dianteiro e a estação de sirene de Ninamaa, que ficava no cabo Ninamaa, a 1.500 m do Farol Traseiro, onde um complexo de prédios de serviços e sirene foi construído em 1898. Hoje, o prédio da sirene, a habitação, a sauna e um mastro inclinado permanecem no complexo de sirene. Todo ano, tempestades no mar devastam gradualmente o cabo Ninamaa, e o complexo enfrenta destruição iminente.

Antes da Segunda Guerra Mundial, o prédio do antigo cassino dos oficiais da bateria costeira do Forte Naval de Pedro, o Grande, abrigava uma estação de pilotagem, que atendia principalmente os navios em visita aos portos de Tallinn. O cais da estação de pilotagem era situado a nordeste do Farol Traseiro; o ponto de observação ficava no Farol Traseiro.

1918. Em 1918, a República da Estônia herdou da guerra águas costeiras repletas de campos minados, nos quais era possível pescar somente em rotas navais estreitas que eram livres de minas. Essas águas eram inavegáveis sem um piloto. A tarefa de prestar serviços de pilotagem foi atribuída ao Lootside, Tuletornide ja Meremärkide Valitsus (Departamento de Pilotos, Faróis e Auxílio Marítimo). Após a Guerra da Independência, as operações de grande parte dos pilotos nacionais foram finalizadas e pilotos particulares assumiram o trabalho. 1922. Em 1922, foi estabelecida em Tallinn a Suurupi Merelootside Selts (Sociedade de Pilotos Marítimos de Suurupi). Em 1926, seu nome foi alterado para Eesti Lootside Selts (Sociedade dos Pilotos da Estônia). 1934. Em 1934, a base principal dos pilotos era a estação de pilotagem de Suurupi, localizada próximo ao antigo cassino dos oficiais da bateria da costa do Forte Naval de Pedro, o Grande. O píer era no vilarejo de Rannaküla, a nordeste do Farol Traseiro. Um piloto levava o navio partindo de Tallinn para a boia de Suurupi, onde ele desembarcava. Quando um navio seguia para Tallinn, ele levava o piloto da estação de pilotagem, que guiava o navio até Tallinn. A estação de pilotagem operou até 1940.